Todas as professoras são iguais, mas algumas são menos iguais que as outras

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2022-11-21
Orientador(res)
Lotta, Gabriela Spanghero
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo

No ambiente de trabalho, as relações sociais dos burocratas de nível de rua são fundamentais para acessar conhecimentos e informações, obter suporte e acolhimento quando necessário, criar vínculos com a organização em que atuam e embasar as decisões no dia a dia. Apesar da importância das relações entre os pares, a maior parte da literatura tem se voltado a compreender as relações interorganizacionais, tendo as próprias organizações como unidades de análise e não os indivíduos. Adicionalmente, nos estudos sobre burocracia de nível de rua, a perspectiva das redes sociais no ambiente de trabalho ainda é rara, dado que o principal enfoque está em entender o que acontece nas interações entre estes burocratas e os usuários das políticas. Com o objetivo de contribuir com a superação destas lacunas, a presente dissertação busca analisar as relações sociais das professoras do Atendimento Educacional Especializado (AEE), burocratas de nível de rua que atuam no campo da educação inclusiva. Para tanto, foram aplicados questionários para mapear as relações entre o corpo docente em duas escolas municipais de Suzano (SP). Também foi aplicado um questionário com todas as professoras de AEE da rede municipal de ensino de Suzano, a fim de captar as percepções sobre o seu trabalho, as suas relações na escola e os alunos com deficiência. A pesquisa realizou ainda entrevistas semiestruturadas com professoras do município que atuam no Atendimento Educacional Especializado. Os achados da pesquisa demonstram que os estigmas e estereótipos relacionados ao público-alvo que as professoras do AEE atendem – os alunos com deficiência – impactam em suas identidades ocupacionais e relações no contexto escolar, tornando-as menos iguais que as demais professoras.


Descrição
Área do Conhecimento