Planejamento e habitualidade são determinantes na poupança familiar?

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2016-08-16
Orientador(res)
Rochman, Ricardo Ratner
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo

Equilibrar os gastos das famílias, governos e empresas pode trazer sustentabilidade no médio e longo prazo para o Brasil. Desta forma, compreender o que pode levar a um equilíbrio, analisado pela poupança familiar, pode ser a base para formar estratégias de políticas públicas. Para a realização do trabalho, portanto, uma amostra de movimentação financeira real de usuários do aplicativo de controle financeiro Minhas Economias foi analisada, levando a entender quais características e comportamentos de um indivíduo podem impactar a sua taxa de poupança, trabalhando com a hipótese que planejamento e habitualidade podem fazer com este tenha maiores taxas de poupança. Alguns dos resultados obtidos corroboraram com as teorias de Dholakia et al. (2016) e Shefrin & Thaler (1988), que a habitualidade e planejamento podem impactar a taxa de poupança das famílias. Além disso, foi possível concluir que receitas e despesas, bem como seus desvios padrão, também geram impacto estatisticamente significativo sobre a taxa de poupança em nível. No entanto, quando da análise longitudinal observou-se que o planejamento, medido pela variável dummy orçamento, perde significância. Tal fato pode ter se dado devido aos efeitos não observáveis (características fixas de cada indivíduo), e ao haver controle sobre isso, a dummy não possui mais efeito. Desta forma, o orçamento pode revelar algo que está no indivíduo e que no painel é de certo modo controlado.


Descrição
Área do Conhecimento