Decisões regulatórias em situação de incerteza: características e delimitação

Carregando...
Imagem de Miniatura
Data
2022-02-25
Orientador(res)
Marques Neto, Floriano de Azevedo
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Resumo

O trabalho almeja traçar uma descrição do fenômeno das decisões racionalmente arbitrárias no campo da atuação dos órgãos reguladores. O ponto de partida da pesquisa é o insight do economista Frank Knight que distingue as situações de risco daquelas que chamou de situações de incerteza. No primeiro caso, é possível fazer uma estimativa probabilística do que pode vir a ocorrer. No segundo caso, não. Trazendo essa distinção para o campo da regulação e, mais especialmente, para o do processo de tomada de decisão do regulador, surge o problema de como se deve compreender a atuação dos órgãos reguladores diante do fenômeno da incerteza. Diante disso, o trabalho busca, em primeiro lugar, esclarecer a distinção ente risco e incerteza nos termos do economista Frank Knight. Em segundo lugar, procura mostrar que, em situações de incerteza, o processo de tomada de decisão assume uma característica específica, as decisões podendo ser tidas como racionalmente arbitrárias. É aqui que é introduzida a importante distinção entre razões de primeira ordem e razões de segunda ordem. Por fim, procura-se mostrar que as decisões racionalmente arbitrárias tomadas em situações de incerteza e fundamentadas em razões de segunda ordem são compatíveis com o princípio da proporcionalidade e com os parâmetros de justificação postos na legislação, em especial na Lei Geral das Agências Reguladoras e na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro.


Descrição
Área do Conhecimento