No balanço das redes: o individual e o coletivo nas relações clientelistas