Nova ameaça no horizonte (Março 2014)

Resumo

Não bastassem as incertezas que cercam o cenário fiscal —— apesar do moderado alívio demonstrado por diversos analistas com o anúncio no final do mês passado de corte de gastos e meta de 1,9% do PIB de superávit primário —, da resistente inflação — que se mantém abaixo do teto da meta principalmente pela contenção dos preços dos bens e serviços administrados — e de um cenário externo pouco benigno para o Brasil — tipificado por déficit inédito na balança comercial para um primeiro bimestre e elevação nas necessidades de financiamento —— as últimas semanas têm assistido à formação de novas nuvens negras no horizonte: os riscos que podem advir de uma evolução pouco favorável do regime de chuvas e dos gastos fiscais associados ao regime de oferta do setor elétrico atualmente em vigor, com suas marcha e contramarchas.


Descrição
Área do Conhecimento